EsporteUltimas horasVideos

Ricardo Guimarães fala sobre o projeto de transformar o Atlético em uma SAF, e confirma conversas com possíveis investidores

Ex-presidente do Atlético, o empresário confirmou conversas com possíveis investidores

Nesta sexta-feira, Ricardo Guimarães cumpriu a promessa de percorrer o trajeto entre Belo Horizonte e o santuário do Bom Jesus, em Congonhas. Na cidade histórica, depois de caminhar cerca de 77 quilômetros, o empresário concedeu uma entrevista exclusiva à Itatiaia e falou sobre o projeto de transformar o Atlético em uma SAF, confirmando conversas com possíveis investidores.

O ex-presidente do clube, que faz parte do órgão colegiado do Galo, explicou que o mais importante no entendimento dele não é o valor arrecadado com a venda em si, mas as condições de investimento estabelecidas. Citando nominalmente o Grupo City, ele ainda disse que é um “sonho” para ambas as partes do negócio.

“O mais importante não é o valor que você vai negociar, é a perspectiva que o Atlético vai esperar, qual a obrigação que o investidor vai ter. Vamos dizer que o Atlético tem um orçamento de R$ 400 milhões no futebol, você vai querer que o investidor se responsabilize por um investimento de R$ 600, 700 milhões. Nós temos que montar um time que vai competir para ganhar todos os campeonatos. Estimo que estamos falando de um prazo de seis meses a um ano. Tivemos conversas, sondagens. O grupo City está investindo no mundo, talvez seja o maior grupo de futebol. É um sonho para qualquer clube que queira transformar em SAF conversar com o City, assim como para o City, se quiser investir no Brasil, é um sonho conversar com o Atlético. Não tem nada para decidir nos próximos dias”, disse.

Ainda sobre os futuro financeiro do Atlético, Ricardo Guimarães defendeu a venda da outra metade do Diamond, que ainda pertence ao Atlético. O empresário acredita que o dinheiro em caixa é importante para reduzir a dívida do Galo. Apesar dos bons resultados esportivos, o clube tem uma das maiores dívidas do futebol brasileiro em números absolutos. 

“É fundamental que a gente consiga, que o conselho possa entender isso e que aprove. Sem nenhuma pressão, mas que ele entenda que é fundamental para o Atlético, que ainda tem uma situação financeira delicada. Foi aportado um valor expressivo no Atlético nos últimos anos. Isso não pode ser repetido. É importante o Atlético ter um dinheiro em caixa. Esse dinheiro vai multiplicar, porque a cada dinheiro que entra, a gente espera que reduza 1,20 ou 1,30 em dívida. Vai ser mais importante esse dinheiro na mão do que o Shopping”, explicou

Internamente, os valores iniciais ventilados para uma possível venda do clube não agradaram os administradores do Atlético. Para Ricardo Guimarães, novas receitas e a criação de uma nova liga podem alavancar o valor de mercado do Galo. A venda do Shopping, que implicaria na redução da dívida, também é vista como fundamental por esse aspecto.

“Não sei dizer quanto vale o Atlético em uma SAF. Esse número é matemático, a avaliação do Atlético, do futuro dele. Quanto ele pode arrecadar, gerar de receita com a entrada da Arena MRV, com a Liga que temos otimismo que vai acontecer, a nova negociação sobre os direitos de transmissão em 2024, acho que vai ter uma valorização muito grande e o Atlético vai ter um valor muito maior do que estão falando hoje”, finalizou.

Ricardo Guimarães também falou sobre Junior Alonso e outros assuntos na entrevista exclusiva à Itatiaia. Acompanhe outras reportagens no site e redes sociais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
× Fale conosco?