CidadesLeste de MinasTeófilo OtoniUltimas horas

Escola estadual de Jampruca, Leste de MG, abriga 10 famílias após Rio Itambacuri alagar a cidade

O nível do rio subiu mais de 4,5 metros. A Defesa Civil registrou vários pontos de alagamento e pelo menos 140 casas foram atingidas.

A chuva que atingiu a cidade de Jampruca, na quinta-feira (9), no Leste de Minas Gerais, deixou moradores assustados. O nível do Rio Itambacuri subiu rapidamente e alagou as ruas do município, deixando algumas famílias desabrigadas.

A única escola estadual da cidade, no Leste de Minas Gerais, virou abrigo para 10 famílias. O aposentado Geraldo das Graças levou os móveis que ele conseguiu tirar de casa antes da água chegar. Essa não foi a primeira vez que ele precisou abandonar o local onde mora por causa da enchente.

“A gente não tem condição nenhuma de sair, comprar uma casa fora, construir em cima, porque as casas de lá são todas fracas, antigas. A minha casa mesmo tem mais de 80 anos”, disse.

A sala de aula foi adaptada. Virou quarto e cozinha. Sirlene Bento de Souza conseguiu salvar a geladeira e o fogão. Sofá, colchão e as roupas dela e dos filhos foram deixados na casa que foi tomada pela lama.

“A gente fica sem saber, pensando em uma coisa e em outra. Pensando na água ir embora e a água não vai”, afirmou a dona de casa.

O nível do Rio Itambacuri subiu mais de 4,5 metros. A Defesa Civil registrou vários pontos de alagamento e pelo menos 140 casas foram atingidas.

Cinco dias após o rio transbordar, ruas da parte mais baixa da cidade ainda estavam alagadas, inclusive os quintais de algumas casas. É que como o Rio Itambacuri continua cheio, a água volta pela rede do esgoto.

Miriã Lima de Araújo, dona de casa, disse que vai continuar no abrigo até a água descer de vez. A estrutura do imóvel em que ela mora sofre com as cheias nesta época do ano.

“A gente não tem casa própria, pago R$ 200 de aluguel e a gente não tem ajuda de ninguém”, disse.

Além da enchente, uma outra ameaça são os deslizamentos de terra. O barranco que fica atrás da casa da dona Eliana Evangelista ameaça não só a família dela, mas dezenas de outras.

“A gente não dorme à noite. A gente tem medo da terra vir e derrubar a casa da gente”, afirmou.

Até o início da tarde desta segunda-feira (13), o nível do Rio Itambacuri estava 2,70 metros acima do normal.

Por Ana Carolina Magalhães, Inter TV dos Vales — Governador Valadares

13/12/2021 15h52  Atualizado há 5 horas

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
×

Powered by WhatsApp Chat

× Fale conosco?