EconomiaTransitoUltimas horas

Caminhoneiros e donos de postos em Minas repudiam novos ajustes nos valores dos combustíveis

Petrobras anunciou aumento de 4,8% no litro da gasolina, 5% no litro do diesel e 5,2% do gás de cozinha

Assim como a população se revoltou com mais um reajuste nos preços dos combustíveis, os donos de postos também repudiam esse aumento previsto para entrar em vigor nesta terça-feira (2). A Petrobras anunciou aumento de 4,8% no litro da gasolina, 5% no litro do diesel e 5,2% do gás de cozinha.

O posicionamento da categoria foi divulgado nesta segunda-feira (1º) pelo presidente do Minaspetro, o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis de Minas Gerais, Carlos Guimarães. 

“Infelizmente, hoje, nós recebemos a notícia de mais um aumento na refinaria e mais um aumento de preço do petróleo na gasolina e no diesel. Infelizmente, como a gente já se manifestou em outras vezes, é muito ruim para o consumidor, é muito ruim também para os donos dos postos e até para sociedade. Quando o diesel ou a gasolina sobe, acaba impactando em todos os preços dos produtos. Isso porque todos os nossos produtos são transportados por caminhões no Brasil”, explica. 

Ele completa: Nós, donos de postos, estamos aqui para dizer que estamos juntos com os consumidos e repudiamos esses aumentos. Esse aumento é ruim para os postos, para os consumidores e para toda sociedade”.

Caminhoneiros

O reajuste preocupa e revolta quem depende dos combustíveis para trabalhar. O presidente do Sindicato Interestadual dos Caminhoneiros (SUBC), José Natan, pede providências do poder público e diz que a categoria está sufocada.

“Está nos deixando sem rumo. Um caminhoneiro precisa de trabalhar e essa pressão que a Petrobras está fazendo na classe deixa a turma inquieta demais. Quem está fora de Belo Horizonte, quem está fora do seu estado, lá pelo Norte ou pelo Nordeste, já com frete espremido demais e, praticamente, sem lucro, isso cria um desoriento muito grande”, diz.

“Espero que as autoridades, o comando da Petrobras, o comando do Brasil, através do Presidente da República, tomem juízo e achem uma forma correta para dar condição de as pessoas trabalharem com equilíbrio”, finaliza.

Grupos de caminhoneiros que vêm fazendo ameaças de paralisação sem sucesso nos últimos meses voltaram a tentar articular uma nova greve. O presidente do Conselho Nacional dos Transportadores Rodoviários de Cargas (CNTRC), Plínio Dias, diz que está orientando os motoristas a pararem o trabalho imediatamente em protesto contra a alta. 

Ele foi um dos articuladores da última tentativa de greve no início de fevereiro, que não foi adiante. Apesar do posicionamento do conselho, a categoria segue dividida como em momentos anteriores.

Por Redação

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
× Fale conosco?